'Mamma Mia!' É uma celebração comovente de pais

Identidade O hit de 2008 'Mamma Mia' quebra as expectativas da família nuclear e nos ensina que não existe uma maneira singular de praticar o amor incondicional.
  • Por Leila Ettachfini

    O filme começa com uma sombra misteriosa guiando um barco por um vasto corpo de água para algum outro lado misterioso. O crepúsculo azul e preto convida ao brilho da esmagadora quantidade de estrelas no céu grego. Enquanto uma versão de I Have a Dream do ABBA passa ao fundo, uma jovem coloca três cartas endereçadas a três homens diferentes em uma caixa de correio. Se esta cena não te dá uma pista imediata da história que se desenrola no sucesso de 2008 Mamma Mia! , deixe-me lembrá-lo: um desses três homens é o pai da jovem, mas ela não sabe qual. E nenhum deles sabe que ela existe.

    Já se passaram 10 anos desde Mamma Mia! fez com que nos apaixonássemos pelo ABBA de novo (e sua sequência, apropriadamente intitulada Mamma Mia! Aqui vamos nós outra vez chega aos cinemas nesta sexta-feira!). O musical original com canções do grupo pop sueco dos anos 70 segue a vida de Sophie (Amanda Seyfried) e sua mãe Donna (Meryl Streep), a última das quais é proprietária e administra sozinha um hotel pitoresco na discreta ilha de Kalokairi, na Grécia . Sophie vai se casar lá, e quando seus dois melhores amigos chegam à ilha, ela confessa ter feito uma besteira séria de filha sorrateira: Depois de encontrar o antigo diário de sua mãe, que contém os nomes de três homens que podem ser seu pai, Sophie convidou todos os seus possíveis pais para o casamento - sem contar a Donna.

    Mamma Mia! tem uma lista aparentemente interminável de qualidades aprovadas por feministas. Uma mãe solteira sexualmente positiva, dona de negócios, cantora e dançante cria sua filha de 20 anos, de espírito livre e confiante - e, junto com a ajuda de seus amigos de longa data, capacita seu filho a fazer suas próprias escolhas na vida. O filme explora docemente a realidade de ser mãe solteira: amigos próximos tornam-se família na ausência de um parceiro, e as relações mãe-filho vão da ponta dos pés para o reino da melhor amizade. Se há algum filme que grita - ou, bem, canta muito alto - GIRL POWER, é Mamma Mia!



    Em homenagem a este conto comovente de uma família não convencional construída sobre amor e mente aberta, achei que seria justo destacar algumas das joias menos conhecidas da história: os pais de Sophie. Seu relacionamento com seus três possíveis pais nos mostra que a família não é determinada pelo sangue. A família pode ser escolhida, o amor não pode ser hierárquico e cada pessoa que escolhemos abraçar traz qualidades únicas que enriquecem nossos relacionamentos e vidas.

    Quando Donna soube que estava grávida de Sophie 20 anos antes, ela foi expulsa de casa. Ela começou seu próprio negócio, criou uma filha e nunca se preocupou em descobrir qual de seus três romances de verão - Sam, Gui ou Harry - resultou em um filho. Os possíveis pais deixaram a ilha antes mesmo de Sophie nascer, então, quando os três homens voltaram para seu casamento, Donna fica confusa, frustrada e frágil.

    Estou entendendo direito? Sam pergunta no meio do casamento de Sophie quando a verdade surge. Sophie pode ser minha, mas ela pode ser do Bill ou do Harry?

    Não fique toda hipócrita, Donna responde, no clássico estilo Donna. Porque você não tem ninguém além de si mesmo para culpar.

    De repente, Harry se dirige ao altar: é ótimo ter um terço de Sophie, ele diz. Eu não pensei que seria nem tanto assim de uma criança. Depois disso, Bill se junta a eles, e os três ficam juntos atrás de Sophie enquanto ela se prepara para fazer seus votos.

    Quando os três pais de Sophie entram em sua vida, ela se sente incerta sobre seu futuro. Embora ela esteja se preparando para se casar com um homem que sem dúvida ama, ela questiona se está correndo para um dos maiores compromissos de sua vida. À medida que ela passa mais tempo com seus pais, seu relacionamento com eles se aprofunda, e cada um deles oferece ajuda para garantir que ela viva uma vida cheia de aventura, autonomia, confiança e amor. Bill, um marinheiro e escritor de viagens, lembra Sophie que ela tem apenas 20 anos e a incentiva a realizar seus sonhos de ver o mundo antes de se estabelecer. Sam, ainda apaixonado por Donna, libera Sophie de suas obrigações de continuar com os negócios de sua mãe na ilha, prometendo apoiar Donna tanto financeira quanto emocionalmente. E Harry, um amante de cães, revela seu pesar por nunca ter filhos, dizendo a Sophie que ele os teria estragado muito. Cada um dos pais de Sophie traz algo único para sua vida e, juntos, eles quebram a expectativa culturalmente arraigada da família nuclear que costumava deixar Sophie com a sensação de que ela sempre estava perdendo alguma coisa.

    À medida que a busca de Sophie para conhecer seu pai verdadeiro se aprofunda, ela recebe a opção de um teste de DNA - mas ela se recusa depois de perceber que realmente não importa com quem ela é parente de sangue.

    Para mais histórias como esta, inscreva-se no nosso boletim informativo

    No final do filme, todos os três pais concordam e chegam à mesma conclusão - depois de conhecer Sophie e passar a amá-la como se fosse sua filha, Sam se casa com Donna, Harry se revela e Bill continua sua busca pelo romance. Cada homem é tanto pai de Sophie quanto o próximo, e nunca roubariam egoisticamente esse presente um do outro por causa de algo tão bobo como o DNA.

    Mamma Mia! é uma história sobre família que se recusa a seguir qualquer narrativa sobre o que significa amar incondicionalmente. Ele enfatiza o valor da escolha e a importância de assegurar que as mulheres jovens tenham o poder de decidir seu futuro. É uma celebração da força, flexibilidade e fluidez da paternidade. O musical perfeito abre espaço para explorar os papéis dos pais em nossas vidas - quer não tenhamos nenhum, um ou muitos na foto - e enfatiza que cada uma dessas experiências é válida e valiosa. Com isso, desejo-lhe um muito feliz Daddy He!